Arquivo da categoria: Programação

Veneza

È Stato il Figlio, de Daniele Cipri

Competição
OLIVIER ASSAYAS – APRÈS MAI (SOMETHING IN THE AIR) França, 122′
RAMIN BAHRANI – AT ANY PRICE EUA, 105′
MARCO BELLOCCHIO – BELLA ADDORMENTATA Italia, 115′
PETER BROSENS, JESSICA WOODWORTH – LA CINQUIÈME SAISON Belgica, Holanda, França, 93′
RAMA BURSHTEIN – LEMALE ET HA’CHALAL (FILL THE VOID) Israel, 90′
DANIELE CIPRÌ – È STATO IL FIGLIO Italia, França, 90′
FRANCESCA COMENCINI – UN GIORNO SPECIALE Italia, 89′
BRIAN DE PALMA – PASSION França, Alemanha, 94′
XAVIER GIANNOLI – SUPERSTAR França, Belgica, 112′
KI-DUK KIM – PIETA Coreia do Sul, 104′
TAKESHI KITANO – OUTRAGE BEYOND Japão, 110′
HARMONY KORINE – SPRING BREAKERS EUA, 92′
TERRENCE MALICK – TO THE WONDER EUA, 112′
BRILLANTE MENDOZA – SINAPUPUNAN (THY WOMB) Filipinas, 100′
VALERIA SARMIENTO – LINHAS DE WELLINGTON Portugal, França, 151′
ULRICH SEIDL – PARADIES: GLAUBE (PARADISE: FAITH) Austria, França, Alemanha, 113′
KIRILL SEREBRENNIKOV – IZMENA (BETRAYAL) Russia, 115′

The Milllennial Rapture, de Koji Wakmatsu

Orizonti
HAIFAA AL MANSOUR – WADJDA Arabia Saudita, Alemanha, 100′
CARLOS ARMELLA – LAS MANOS LIMPIAS Mexico, 11′
KIANOOSH AYARI – KHANÉH PEDARI (THE PATERNAL HOUSE) Iran, 100′
ALEXEY BALABANOV – JA TOZHE HOCHU (I ALSO WANT IT) Russia, 89′
MIN BHAM – BANSULLI (THE FLUTE) Nepal, 15′
FERNANDO CAMARGO, MATHEUS PARIZI – O AFINADOR Brasile, 15′
RENATE COSTA, SALLA SORRI – RESISTENTE Dinamarca, Paraguai, Finlandia, 20′
IVANO DE MATTEO – GLI EQUILIBRISTI Italia, Francia, 100′
LEONARDO DI COSTANZO – L’INTERVALLO Italia, Suiça, Alemanha, 90′
IBRAHIM EL BATOUT – EL SHEITA ELLI FAT (WINTER OF DISCONTENT)
Egito, 94′
FRÉDÉRIC FONTEYNE – TANGO LIBRE Belgica, França, Luxemburgo, 105′
ALESSIO GIANNONE – LA SALA Italia, 16′
IDAN HUBEL – MENATEK HA-MAIM (THE CUTOFF MAN) Israel, 76′
NICK KING – MARLA Australia, 15′
RUIJUN LI – GAOSU TAMEN, WO CHENG BAIHE QU LE (FLY WITH THE CRANE) China, 90′
TOBIAS LINDHOLM – KAPRINGEN (A HIJACKING) Dinamarca, 99′
JAZMIN LOPEZ – LEONES Argentina, França, Holanda, 80′
JAKE MAHAFFY – MIRACLE BOY EUA, 17′
BERTRAND MANDICO – LIVING STILL LIFE França, Belgica, Alemanha, 16′
SALVATORE MEREU – BELLAS MARIPOSAS Italia, 100′
CONSTANCE MEYER – FRANK-ÉTIENNE VERS LA BÉATITUDE França, 15′
ROBERTO MINERVINI – LOW TIDE EUA, Italia, Belgica, 92′
PAOLA MORABITO – I’M THE ONE Australia, 14′
CELIA RICO CLAVELLINO – LUISA NO ESTÁ EN CASA Espanha, 19′
BERNARD ROSE – BOXING DAY Inglaterra, EUA, 91′
DJAMILA SAHRAOUI – YEMA Algeria, França, 90′
CARLO SIRONI – CARGO Italia, 15′
MING-LIANG TSAI – DIAMOND SUTRA Taiwan, 20′
YESIM USTAOGLU – ARAF (ARAF – SOMEWHERE IN BETWEEN) Turquia, França, Alemanha, 124′
KOJI WAKAMATSU – SENNEN NO YURAKU (THE MILLENNIAL RAPTURE) Japão, 118′
BING WANG – SAN ZI MEI (THREE SISTERS) França, Hong Kong, 153′
MIN-YOUNG YOO – CHO-DE (INVITATION) Coreia do Sul, 16′
YORGOS ZOIS – TITLOI TELOUS (OUT OF FRAME) Grecia, 10′

Penance, de Kiyoshi Kurosawa

Fora de Competição
JEAN-PIERRE AMERIS – L’HOMME QUI RIT França, Republica Checa, 95′
LYUBOV ARKUS – ANTON TUT RYADOM (ANTON’S RIGHT HERE) Russia, 110′
SUSANNE BIER – DEN SKALDEDE FRISØR (LOVE IS ALL YOU NEED) Dinamarca, Servia, 112′
PASCAL BONITZER – CHERCHEZ HORTENSE França, 110′
HINDE BOUJEMAA – YA MAN AACH (IT WAS BETTER TOMORROW) Tunisia, 74′
SIMON BROOK – THE TIGHTROPE França, Italia, 83′
LILIANA CAVANI – CLARISSE Italia, 21′
JONATHAN DEMME – ENZO AVITABILE MUSIC LIFE Italia, EUA, 80′
STEPHEN FUNG – TAI CHI 0 China, 100′
SILVIA GIRALUCCI, LUCA RICCIARDI – SFIORANDO IL MURO Italia, 51′
AMOS GITAI – CARMEL (2009) Israel, França, Italia, 93′
AMOS GITAI – LULLABY TO MY FATHER Israel, França, Suiça, 90′
DANIELE INCALCATERRA, FAUSTA QUATTRINI – EL IMPENETRABLE Argentina, França, 95′
KIYOSHI KUROSAWA – SHOKUZAI (PENANCE) Japão, 270′
SPIKE LEE – BAD 25 EUA, 123′
CARLO MAZZACURATI – MEDICI CON L’AFRICA Italia, 80′
MIRA NAIR – THE RELUCTANT FUNDAMENTALIST India, Paquistão, EUA, 128′
MANOEL DE OLIVEIRA – O GEBO E A SOMBRA Portugal, França, 95′
ABDALLAH OMEISH – WITNESS: LIBYA EUA, 57′
ROBERT REDFORD – THE COMPANY YOU KEEP EUA, 125′
KIMBLE RENDALL – SHARK (BAIT 3D) Australia, Cingapura, 93′
HENRY-ALEX RUBIN – DISCONNECT EUA, 115′
DANIELE VICARI – LA NAVE DOLCE Italia, Albania, 90′
ARIEL VROMEN – THE ICEMAN EUA, 98′

Deixe um comentário

Arquivado em Programação

Locarno

Competição Internacional
A ÚLTIMA VEZ QUE VI MACAU by João Pedro Rodrigues and João Rui Guerra da Mata – Portugal/France
BERBERIAN SOUND STUDIO by Peter Strickland – United Kingdom/Germany/Australia
COMPLIANCE by Craig Zobel – United States
DER GLANZ DES TAGES by Tizza Covi and Rainer Frimmel – Austria
IMAGE PROBLEM by Simon Baumann and Andreas Pfi ffner – Switzerland
JACK AND DIANE by Bradley Rust Gray – United States
LA FILLE DE NULLE PART by Jean-Claude Brisseau – France
LEVIATHAN by Lucien Castaing-Taylor and Verena Paravel – United Kingdom/United States/France
LOS MEJORES TEMAS by Nicolás Pereda – Mexico/Canada/Netherlands
MOBILE HOME by François Pirot – Belgium/Luxembourg
MUSEUM HOURS by Jem Cohen – Austria/United States
PADRONI DI CASA by Edoardo Gabbriellini – Italy
PLAYBACK by Sho Miyake – Japan
POLVO by Julio Hernández Cordón – Guatemala/Spain/Chile/Germany
SOMEBODY UP THERE LIKES ME by Bob Byington – United States
STARLET by Sean Baker – United States
THE END OF TIME by Peter Mettler – Switzerland/Canada
UNE ESTONIENNE A PARIS by Ilmar Raag – France/Estonia/Belgium
WO HAI YOU HUA YAO SHUO by Ying Liang – South Korea

Cineastas do Presente

APE by Joel Potrykus –United States
ARRAIANOS by Eloy Enciso – Spain
BOA SORTE, MEU AMOR by Daniel Aragão – Brazil
INORI by Pedro González-Rubio – Japan
JI YI WANG ZHE WO by SONG Fang – China
LES GOUFFRES by Antoine Barraud – France
LES MOUVEMENTS DU BASSIN by HPG – France
NOT IN TEL AVIV by Nony Geffen – Israel
ORLÉANS by Virgil Vernier – France
PEOPLE’S PARK by Libbie Dina Cohn and J.P. Sniadecki – United States/China
TECTONICS by Peter Bo Rappmund – United States
TOWER by Kazik Radwanski – Canada
TUTTI GIÙ by Niccolò Castelli – Switzerland
VAKANSI YANG JANGGAL DAN PENYAKIT LAINNYA by Yosep Anggi Noen – Indonesia
WINTER, GO AWAY by Various artists – Russia

Fora de competição

AGE IS… by Stephen Dwoskin
CHIRI (Chiri/Trace) by Naomi Kawase
I, ANNA by Barnaby Southcombe
FAIRY QUEEN by Jean-Paul Civeyrac
FAR FROM AFGHANISTAN by John Gianvito, Jon Jost, Minda Martin, Soon-Mi Yoo, Travis Wilkerson
INGRID CAVEN, MUSIQUE ET VOIX by Bertrand Bonello
L’ENCLOS DU TEMPS (The Enclosure of Time) by Jean-Charles Fitoussi
LA RICHESSE DU LOUP (Rich Is the Wolf) by Damien Odoul
LES COQUILLETTES by Sophie Letourneur
NAMI NO OTO (The Sound of Waves) by Ryusuke Hamaguchi and Ko Sakai
PERRET IN FRANKREICH UND ALGERIEN (Perret in France and Algeria) by Heinz Emigholz
RIO by Sarah Morris
THE CAPSULE by Athina Rachel Tsangari
Jeonju Digital Project
LIGHT IN THE YELLOW BREATHING SPACE by Vimukthi Jayasundara
THE GREAT CINEMA PARTY by Raya Martin

Deixe um comentário

Arquivado em Programação

Rotterdam e Tiradentes

O Som ao Redor, de Kleber Medonça Filho

Sairam ontem as seleções completas de Rotterdam e Titadentes.

Rotterdam

Competição
Black’s Game (Óskar Thor Axelsson, Islandia)
Clip (Maja Milos, Servia)
De jueves a domingo (Dominga Sotomayor, Chile/Holanda)
Egg and Stone (Huang Ji, China)
A Fish (Park Hong-Min, Coreia do Sul)
In April the Following Year, There Was a Fire (Wichanon Somumjarn, Tailandia)
It Looks Pretty From a Distance (Anka Sasnal & Wilhelm Sasnal, Polonia/EUA)
L (Babis Makridis, Grécia, 2012)
Living (Vasily Sigarev, Russia)
Return to Burma (Midi Z, Taiwan, Burma, 2011)
Romance Joe (Lee Kwang-Kuk, Coreia do Sul)
O Som ao Redor ((Kleber Mendonça Filho, Brasil)
Sudoeste (Eduardo Nunes, Brasil)
Tokyo Playboy Club (Okuda Yosuke, Japão)
Voice of My Father (Orhan Eskiköy & Zeynel Dogan, Turquia/Alemanha)

— Acho que há muito tempo não acontecia de dois longas brasileiros serem selecionados para competição de um festival internacional importante.
— Algo que me agrada muito no press-release de Rotterdam é que eles são honestos sobre que filmes receberam apoio do Hubert Bals Fund (fundo de apoio mantido pelo próprio festival). É o tipo de coisa que influencia decisões curatoriais com muita frequencia e que a maior parte dos festivais faz de conta que não existe (por exemplo dos dez filmes da competição de Berlim já divulgados, seis são pelo menos co-produções alemãs).
— Vale destacar que Rotterdam este ano conta com uma bela retrospectiva da Boca do Lixo (que vai do marginal ao porno) e vai contar fora de competição com a estreia mundial do novo Bressane.

Tiradentes

AURORA
Strovengah – Amor Torto, de André Sampaio (RJ)
Balança Mas Não Cai, de Leonardo Barcelos (MG)
AS Horas Vulgares, de Rodrigo de Oliveira e Vitor Graize (ES)
Entorno da Beleza, de Dácia Ibiapina (DF)
A Cidade é uma Só, de Adirley Queirós (DF)
HU, de Pedro Urano e Joana Traub Cseko (RJ)
Corpo Presente, de Marcelo Toledo e Paolo Gregori (SP)

Olhares
Hoje, de Tata Amaral (SP)
Bruta Aventura em Versos, de Letícia Simões (RJ)
Estradeiros, de Sérgio Oliveira e Renata Pinheiro (PE)
Girimunho, de Helvécio Marins Jr. e Clarissa Campolina (MG)
O Homem que Não Dormia, de Edgar Navarro (BA)
Olhe Pra Mim de Novo, de Kiko Goifman e Cláudia Priscilla (SP)

Praça
Iván – de Volta para o Passado, de Guto Pasko (PR)
O Mineiro e o Queijo, de Helvecio Ratton (MG)
Paraiso, Aqui Vou Eu, de Cavi Borges e Walter Daguerre (RJ)
Roda, de Carla Maia e Raquel Junqueira (MG)
O Carteiro, de Reginaldo Faria (RS)

Vertentes
As Hiper Mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro (PE)
Djailoh, de Ricardo Miranda (RJ)
Vou Rifar meu Coração, de Ana Rieper (RJ)
Augustas, de Francisco César Filho (SP)
Na Carne e na Alma, de Alberto Savá (RJ)

Homenagem a Selton Mello
Billi Pig, de José Eduardo Belmonte (RJ)
O Cheiro do Ralo, de Heitor Dhalia (SP)
O Palhaço, de Selton Mello (RJ)
Lavoura Arcaica de Luiz Fernando Carvalho (SP)
A Erva do Rato, de Júlio Bressane (RJ)

2 Comentários

Arquivado em Programação

Qu’ils Reposent en Revolte (des Figures de Guerre)

Exibição rara de um dos grandes filmes recentes Qu’ils Reposent en Revolte (des Figures de Guerre) de Sylvain George nesta quinta a noite em Belo Horizonte no Forumdoc. Não creio que o filme virá a ter muitas outras exibições no Brasil (circula desde o FIDMarseille do ano passado e não faz muito o gosto dos nossos programadores), então cinéfilos mineiros aproveitem a chance, dificil ter outra. Entre os filmes recentes sobre a questão do imigrante na sociedade europeia é de certo o mais ambicioso politica e esteticamente.

Deixe um comentário

Arquivado em Filmes, Programação

Mostra

 

Algumas sugestões da Mostra, primeira lista é das principais recomendações. Asterisco na frente dos filmes que eu já vi.

 

LAS ACACIAS (Pablo Giorgelli)
AS CANÇÕES (Eduardo Coutinho)
THE DAY HE ARRIVES (Hong Sangsoo)
GIRIMUNHO (Clarissa Campolina & Helvécio Marins Jr.)
HABEMUS PAPAM (Nanni Moretti)
HANEZU (Naomi Kawase)
O HOMEM QUE NÃO DORMIA (Edgard Navarro)
*THE KID WITH A BIKE (Jean-Pierre & Luc Dardenne)
LOW LIFE | (Nicolas Klotz & Elisabeth Percival)
*MAFROUZA 1: OH LA NUIT! (Emmanuelle Demoris)
MAFROUZA 2: COEUR (Emmanuelle Demoris)
MAFROUZA 3: QUE FAIRE? (Emmanuelle Demoris)
MAFROUZA 4: LA MAIN DU PAPILLON (Emmanuelle Demoris)
*MAFROUZA 5: PARABOLES (Emmanuelle Demoris)
PATER | (Alain Cavalier)
SLEEPLESS NIGHTS STORIES (Jonas Mekas)
*SORELLE MAI (Marco Belocchio)
THIS IS NOT A FILM (Jafar Panahi & Mojtaba Mirtahmasb)

ANGELE & TONY (Alix Delaporte)
*ATTENBERG (Athina Rachel Tsangari)
BEATS, RHYMES & LIFE (Michael Rapaport)
BREATHING (Karl Markovics)
BULLHEAD (Michael R.Roskam)
CAVE OF FORGOTTEN DREAMS (Werner Herzog)
*O CÉU SOBRE OS OMBROS (Sérgio Borges)
CHANG´E (Zou Peng)
CHICKEN WITH PLUMS (Marjane Satrapi & Vincente Paronnaud)
CISNE (Teresa Villaverde)
LES CONTES DE LA NUIT (Michel Ocelot)
CUT (Amir Naderi)
DETACHMENT (Tony Kaye)
ELENA (Andrei Zvyagintsev)
EU RECEBERIA AS PIORES NOTÍCIAS (Beto Brant & Renato Ciasca)
THE FORGIVENESS OF BLOOD (Joshua Marston)
THE FUTURE (Miranda July)
EL GATO DESAPARECE (Carlos Sorin)
LES GÉANTS (Bouli Lanners)
GREEN (Sophia Takal)
HAPPY PEOPLE: A YEAR IN THE TAIGA (Werner Herzog & Dmitry Vasyokov)
HAUNTERS (Kim Min-suk)
HEADHUNTERS (Morten Tyldum)
HERE (Braden King)
AS HIPER MULHERES (Caelos Fausto, Leonardo Sette & Takumã Kuikuro)
HISTORIAS QUE SÓ EXISTEM QUANDO SÃO LEMBRADAS (Julia Murat)
HORS SATAN (Bruno Dumont)
I WISH (Hirokazu Kore-eda)
IF NOT US, WHO? (Andres Veiel)
L´ILLUSION COMIQUE (Mathieu Amalric)
INNOCENT SATURDAY (Alexander Mindadze)
LATE BLOOMERS (Julie Gavras)
LOOK, STRANGER (Arielle Javitch)
LOVERBOY (Catalin Mitulescu)
*UN MUNDO MISTERIOSO (Rodrigo Moreno)
NO LUGAR ERRADO (Guto Parente)
ÓCIO (Juan Villegas & Alejandro Lingenti)
OLHE PARA MIM DE NOVO (Kiko Goifman & Claudia Priscilla)
ONCE UPON A TIME IN ANATOLIA (Nuri Bilge Ceylan)
ONE.TWO.ONE (Mania Akbari)
OSLO, AUGUST 31ST (Joachim Trier)
PAÍS DO DESEJO (Paulo Caldas)
PROJECT NIM (James Marsh)
*SLEEPING SICKNESS (Ulrich Kohler)
THE SNOWS OF KILIMANJARO (Robert Guédiguian)
SUDOESTE (Eduardo Nunes)
TATSUMI (Eric Khoo)
TIERRA SUBLEVADA 1: ORO IMPURO (Fernando Solanas)
TIERRA SUBLEVADA 2: ORO NEGRO (Fernando Solanas)
THE YELLOW SEA (Na Hong-jin)

4 Comentários

Arquivado em Programação

Mostra

Como sempre segue uma pré seleção de filmes de interesse da mostra. Como sempre este é um apanhado de filmes que me parecem poder interessar o leitor do blog independente de me interessarem pessoalmente. Deixei um asterisco antes dos que eu vi e recomendo.

AANTROPÓLOGA, de Zeca Nunes Pires / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: A ANTROPÓLOGA, GENERO: Ficção, DURACAO: 94

A ÁRVORE, de Julie Bertucelli / FRANÇA, AUSTRÁLIA, TÍTULO ORIGINAL: The Tree, GENERO: Ficção, DURACAO: 100

A SUPREMA FELICIDADE, de Arnaldo Jabor / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: A SUPREMA FELICIDADE, GENERO: Ficção, DURACAO: 125

A ÚLTIMA ESTRADA DA PRAIA, de Fabiano de Souza / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: A ÚLTIMA ESTRADA DA PRAIA, GENERO: Ficção, DURACAO: 93

AGRESTE, de Paula Gaitán / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: AGRESTE, GENERO: Documentário, DURACAO: 78

AIR DOLL, de Kore-Eda Hirokazu / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: KUKI NINGYO, GENERO: Ficção, DURACAO: 116

ÁLBUM DE FAMÍLIA, de Lluis Miñarro / ESPANHA, TÍTULO ORIGINAL: FAMILYSTRIP, GENERO: Documentário, DURACAO: 75

ALÉM DA ESTRADA, de Charly Braun / BRASIL, URUGUAI, TÍTULO ORIGINAL: POR EL CAMINO, GENERO: Ficção, DURACAO: 85

ALMAS SILENCIOSAS, de Aleksei Fedorchenko / RÚSSIA, TÍTULO ORIGINAL: Ovsyanki, GENERO: Ficção, DURACAO: 75

*ARMADILLO, de Janus Metz / DINAMARCA, TÍTULO ORIGINAL: ARMADILLO, GENERO: Documentário, DURACAO: 101

AVENIDA BRASÍLIA FORMOSA, de Gabriel Mascaro / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: Avenida Brasília Formosa, GENERO: Documentário, DURACAO: 85

BLACK VENUS, de Abdellatif Kechiche / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: VÉNUS NOIRE, GENERO: Ficção, DURACAO: 159

BOCA DO LIXO, de Flavio Frederico / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: BOCA DO LIXO, GENERO: Ficção, DURACAO: 100

BONECAS DIABÓLICAS, de Flávio Nogueira / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: BONECAS DIABÓLICAS, GENERO: Ficção, DURACAO: 92

BRÓDER, de Jeferson De / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: BRÓDER, GENERO: Ficção, DURACAO: 93

CATERPILLAR, de Koji Wakamatsu / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: CATERPILLAR, GENERO: Ficção, DURACAO: 85

CLEVELAND X WALL STREET, de Jean-Stéphane Bron / FRANÇA, SUÍÇA, TÍTULO ORIGINAL: Cleveland VS Wall Street, GENERO: Documentário, DURACAO: 98

*CÓPIA FIEL, de Abbas Kiarostami / FRANÇA, ITÁLIA, TÍTULO ORIGINAL: COPIE CONFORME, GENERO: Ficção, DURACAO: 106

CYRUS, de Jay Duplass, Mark Duplass / EUA, TÍTULO ORIGINAL: Cyrus, GENERO: Ficção, DURACAO: 91

DISTANTES JUNTOS, de Wang Quanan / CHINA, TÍTULO ORIGINAL: Tuan yuan, GENERO: Ficção, DURACAO: 95

ELVIS & MADONA, de Marcelo Laffitte / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: ELVIS & MADONA, GENERO: Ficção, DURACAO: 105

EM UM MUNDO MELHOR, de Susanne Bier / DINAMARCA, TÍTULO ORIGINAL: Hævnen, GENERO: Ficção, DURACAO: 105

EMBARGO, de António Ferreira / PORTUGAL, BRASIL, ESPANHA, TÍTULO ORIGINAL: EMBARGO, GENERO: Ficção, DURACAO: 83

ESTRANHOS, de Paulo Alcântara / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: ESTRANHOS, GENERO: Ficção, DURACAO: 93

*EX ISTO, de Cao Guimarães / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: EX ISTO, GENERO: Ficção, DURACAO: 86

FELIZ QUE MINHA MÃE ESTEJA VIVA, de Claude Miller, Nathan Miller / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: JE SUIS HEUREUX QUE MA MÈRE SOIT VIVANTE, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

FILME DO DESASSOSSEGO, de João Botelho / PORTUGAL, TÍTULO ORIGINAL: FILME DO DESASSOSSEGO, GENERO: Ficção, DURACAO: 120

FORA DA LEI, de Rachid Bouchareb / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: HORS LA LOI, GENERO: Ficção, DURACAO: 138

HEARTBEATS, de Xavier Dolan / CANADÁ, TÍTULO ORIGINAL: LES AMOURS IMAGINAIRES, GENERO: Ficção, DURACAO: 102

HISTÓRIA DE KYOTO, de Yoji Yamada, Tsutomu Abe / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: Kyoto Uzumasa Monogatari, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

HOWL, de Rob Epstein, Jeffrey Friedman / EUA, TÍTULO ORIGINAL: HOWL, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

LOPE, de Andrucha Waddington / ESPANHA, BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: Lope, GENERO: Ficção, DURACAO: 106

LOVE, LUST & LIES, de Gillian Armstrong / AUSTRÁLIA, TÍTULO ORIGINAL: LOVE, LUST & LIES, GENERO: Documentário, DURACAO: 87

LUZ NAS TREVAS, de Helena Ignez, Icaro C. Martins / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: LUZ NAS TREVAS, GENERO: Ficção, DURACAO: 83

*MACHETE, de Robert Rodriguez e Ethan Maniquis / EUA, TÍTULO ORIGINAL: MACHETE, GENERO: Ficção, DURACAO: 107

*MEMÓRIAS DE XANGAI – I WISH I KNEW, de Jia Zhang Ke / CHINA, TÍTULO ORIGINAL: I WISH I KNEW, GENERO: Ficção, DURACAO: 125

MISTÉRIOS DE LISBOA, de Raúl Ruiz / PORTUGAL, TÍTULO ORIGINAL: MISTÉRIOS DE LISBOA, GENERO: Ficção, DURACAO: 266

MOTHERS, de Milcho Manchevski / MACEDÔNIA, FRANÇA, BULGÁRIA, TÍTULO ORIGINAL: Majki, GENERO: Ficção, DURACAO: 123

MY JOY, de Sergei Loznitsa / ALEMANHA, UCRÂNIA, HOLANDA, TÍTULO ORIGINAL: Schastye Moye, GENERO: Ficção, DURACAO: 127

NÃO ME DEIXE JAMAIS, de Mark Romanek / REINO UNIDO, EUA, TÍTULO ORIGINAL: Never Let Me Go, GENERO: Ficção, DURACAO: 103

NOSSA VIDA, de Daniele Luchetti / ITÁLIA, FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: La nostra vita, GENERO: Ficção, DURACAO: 98

NOSTALGIA DA LUZ, de Patricio Guzman / FRANÇA, ALEMANHA, CHILE, TÍTULO ORIGINAL: NOSTALGIA DE LA LUZ, GENERO: Documentário, DURACAO: 90

O CIÚME MORA AO LADO, de Mika Kaurismäki / FINLÂNDIA, TÍTULO ORIGINAL: HAARAUTUVAN RAKKAUDEN TALO, GENERO: Ficção, DURACAO: 102

O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA, de Manoel de Oliveira / PORTUGAL, ESPANHA, FRANÇA, BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA, GENERO: Ficção, DURACAO: 95

O MÁGICO, de Sylvain Chomet / FRANÇA, INGLATERRA, TÍTULO ORIGINAL: L´ILLUSIONNISTE, GENERO: Animação, DURACAO: 80

O OUTRO MUNDO, de Gilles Marchand / FRANÇA, BÉLGICA, TÍTULO ORIGINAL: L´AUTRE MONDE, GENERO: Ficção, DURACAO: 104

O SEQUESTRO DE UM HERÓI, de Lucas Belvaux / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: RAPT, GENERO: Ficção, DURACAO: 125

O ÚLTIMO ROMANCE DE BALZAC, de Geraldo Sarno / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: O ÚLTIMO ROMANCE DE BALZAC, GENERO: Documentário, DURACAO: 74

*OF GODS AND MEN, de Xavier Beauvois / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: DES HOMMES ET DES DIEUX, GENERO: Ficção, DURACAO: 120

ONDULAÇÃO, de Denis Côté / CANADÁ, TÍTULO ORIGINAL: CURLING, GENERO: Ficção, DURACAO: 92

OS AMORES DE UM ZUMBI, de Arnold Antonin / HAITI, TÍTULO ORIGINAL: LES AMOURS D’UN ZOMBI, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

OS DOIS ESCOBARES, de Jeff Zimbalist, Michael Zimbalist / COLÔMBIA, EUA, TÍTULO ORIGINAL: THE TWO ESCOBARS, GENERO: Documentário, DURACAO: 100

OUÇA-ME, de Fenfen Cheng / TAIWAN, TÍTULO ORIGINAL: HEAR ME, GENERO: Ficção, DURACAO: 109

POESIA, de Lee Chang-dong / CORÉIA DO SUL, TÍTULO ORIGINAL: SHI, GENERO: Ficção, DURACAO: 139

POLYTECHNIQUE, de Denis Villeneuve / CANADÁ, TÍTULO ORIGINAL: POLYTECHNIQUE, GENERO: Ficção, DURACAO: 77

PONTO ORG, de Patrícia Moran / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: Ponto Org, GENERO: Ficção, DURACAO: 80

POTICHE, de François Ozon / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: POTICHE, GENERO: Ficção, DURACAO: 104

ROSES A CREDIT, de Amos Gitai / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: ROSES A CREDIT, GENERO: Ficção, DURACAO: 113

SENTIMENTO DE CULPA, de Nicole Holofcener / EUA, TÍTULO ORIGINAL: Please Give, GENERO: Ficção, DURACAO: 91

SOBRE SEU IRMÃO, de Yoji Yamada / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: OTOUTO, GENERO: Ficção, DURACAO: 126

*SOCIALISM, de Jean-Luc Godard / FRANÇA, SUÍÇA, TÍTULO ORIGINAL: FILM SOCIALISME, GENERO: Ficção, DURACAO: 101

SPECIAL TREATMENT, de Jeanne Labrune / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: Sans queue ni tête, GENERO: Ficção, DURACAO: 95

SUBMARINO, de Thomas Vinterberg / DINAMARCA, TÍTULO ORIGINAL: Submarino, GENERO: Ficção, DURACAO: 110

SUN SPOTS, de Heng Yang / CHINA, TÍTULO ORIGINAL: GUANG BAN, GENERO: Ficção, DURACAO: 112

SYMBOL, de Hitoshi Matsumoto / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: SHINBORU, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

TEHRAN TEHRAN, de Dariush Mehrjui, Mehdi Karampour / IRÃ, TÍTULO ORIGINAL: Tehran Tehran, GENERO: Ficção, DURACAO: 109

THE CITY BELOW, de Christoph Hochhäusler / ALEMANHA, FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: UNTER DIR DIE STADT, GENERO: Ficção, DURACAO: 110

THE DITCH, de Wang Bing / FRANÇA, BÉLGICA, TÍTULO ORIGINAL: LE FOSSÉ, GENERO: Ficção, DURACAO: 109 (exibiram também A Oeste dos Trilhos para quem quiser rever)

THE HUNTER, de Rafi Pitts / IRÃ, ALEMANHA, TÍTULO ORIGINAL: SHEKARCHI, GENERO: Ficção, DURACAO: 92

THE INVISIBLE EYE, de Diego Lerman / ARGENTINA, FRANÇA, ESPANHA, TÍTULO ORIGINAL: LA MIRADA INVISIBLE, GENERO: Ficção, DURACAO: 95

THE MYTH OF THE AMERICAN SLEEPOVER, de David Robert Mitchell / EUA, TÍTULO ORIGINAL: The Myth of the American Sleepover, GENERO: Ficção, DURACAO: 97

THE OUTRAGE, de Takeshi Kitano / JAPÃO, TÍTULO ORIGINAL: AUTOREIJI, GENERO: Ficção, DURACAO: 109

THE FOUR TIMES, de Michelangelo Frammartino / ITÁLIA, ALEMANHA, SUÍÇA, TÍTULO ORIGINAL: LE QUATTRO VOLTE, GENERO: Ficção, DURACAO: 88

*TIO BOONMEE, QUE PODE RECORDAR SUAS VIDAS PASSADAS, de Apichatpong Weerasethakul / REINO UNIDO, TAILÂNDIA, ALEMANHA, FRANÇA, ESPANHA, TÍTULO ORIGINAL: LUNG BOONMEE RALUEK CHAT, GENERO: Ficção, DURACAO: 113

TRABALHO INTERNO, de Charles Ferguson / EUA, TÍTULO ORIGINAL: Inside Job, GENERO: Documentário, DURACAO: 120

TRÊS QUINTAIS, de Eric Mendelsohn / EUA, TÍTULO ORIGINAL: 3 BACKYARDS, GENERO: Ficção, DURACAO: 88

TUDO VAI DAR CERTO, de Christoffer Boe / DINAMARCA, TÍTULO ORIGINAL: ALTING BLIVER GODT IGEN, GENERO: Ficção, DURACAO: 90

TURNÊ, de Mathieu Amalric / FRANÇA, TÍTULO ORIGINAL: TOURNÉE, GENERO: Ficção, DURACAO: 111

UM DIA NA VIDA, de Eduardo Coutinho / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: UM DIA NA VIDA, GENERO: Indefinido, DURACAO: 94

UM HOMEM QUE GRITA, de Mahamat Saleh Haroun / FRANÇA, BÉLGICA, CHADE, TÍTULO ORIGINAL: UN HOMME QUI CRIE, GENERO: Ficção, DURACAO: 92

*UM LUGAR QUALQUER, de Sofia Coppola / EUA, TÍTULO ORIGINAL: SOMEWHERE, GENERO: Ficção, DURACAO: 98

UMA MULHER, UMA ARMA E UMA LOJA DE MACARRÃO, de Yimou Zhang / CHINA, TÍTULO ORIGINAL: San qiang pai an jing qi, GENERO: Ficção, DURACAO: 95

VIPS, de Toniko Melo / BRASIL, TÍTULO ORIGINAL: VIPS, GENERO: Ficção, DURACAO: 91

VOCÊ VAI CONHECER O HOMEM DOS SEUS SONHOS, de Woody Allen / EUA, TÍTULO ORIGINAL: You Will Meet a Tall Dark Stranger, GENERO: Ficção, DURACAO: 98

1 comentário

Arquivado em Programação

Jerzy Skolimowski

Um dos grandes destaques do Festival do Rio sem dúvida nenhuma é a pequena retrospectiva do Jerzy Skolimowski.  Fica ai o meu texto escrito ano passado para a Revista Taturana:

Todo o Desarranjo do Mundo

Por Filipe Furtado

O grande evento mais discreto do cinema ano passado foi o retorno as telas de Jerzy Skolimowski após 17 anos sem filmar. Quatro Noites com Anna abriu a Quinzena dos Realizadores em Cannes com boas críticas e passou por boa parte do circuito de festivais internacionais (incluindo o do Rio) sem chamar muita atenção para si. O retorno quase ocorreu em outros termos, por anos seus fãs acompanharam noticias de uma adaptação de Na America de Susan Sontag com Isabelle Huppert no papel central. O retorno hipotético – o projeto oficialmente segue em pré-produção – garantiria outro tipo de atenção e até alguns holofotes sobre Skolimowski, mas Quatro Noites com Anna não deixa de ser o retorno ideal para seu cineasta: um filme miniatura orgulhosamente menor metade dele transcorrendo num quarto com as câmeras voltas para os movimentos de um só ator. O único grande evento é o próprio retorno do cineasta para seus poucos, mas devotados fãs. De quebra, trata-se do retorno de Skolimowski a sua Polônia natal, seu primeiro filme polonês desde 67.

Assim como seu conterrâneo Roman Polanski (para quem escreveu Faca na Água), Jerzy Skolimowski é um destes cineastas exilados cuja obra é a primeira vista transnacional com filmes na França, Inglaterra e EUA que variam da adaptação literária de prestígio (filmou Nabokov, Graves e Turgenev) ao pulp, de filmes rigorosamente construídos a outros completamente fragmentados. Apesar disso não só há uma grande unidade na maior parte da sua obra como a Polônia segue uma assombração mesmo sobre boa parte dos seus filmes ocidentais. De todos os cineastas do bloco comunista que emigraram ao ocidente no fim dos anos 60 (Passer, Forman, Polanski), Jerzy Skolimowski é o único que jamais abandonou sua terra natal mesmo que só dois dos seus filmes ocidentais lidem diretamente com a sua Polônia (A Classe Operária, O Sucesso é a Melhor Vingança).

Não deixa de ser reflexo da facilidade com que Skolimowski filma homens deslocados. Seus filmes expressam esta sensação de confusão e perda tão facilmente que muitos críticos não tem trabalham algum em localizar um discurso sobre exílio ali.Pensemos naquele que talvez seja seu melhor filme Ato Final (70): um adolescente inglês arranja trabalho numa sauna e lá se apaixona pela garota alguns anos mais velha que trabalha com ele que se aproveita da situação ao máximo. Um ponto de partida corriqueiro para um filme consideravelmente duro e cruel sobre adolescência. Podemos dizer que Skolimowski tem facilidade para se identificar com seu adolescente perdido, mas é bom também lembrarmos que cada um dos quatro filmes que ele fizera no seu pais natal se centram em personagens não muito diferentes deste jovem inglês. Para além disso a força de Ato Final deriva justamente da forma como o filme consegue apresentar uma experiência de adolescência muito reconhecível e preenche-la de situações muito especificas. Numa das melhores sequências o rapaz leva um cano (ou o que ele acredita ser um) e fica esperando junto a um carro de cachorro quente para matar o tempo ele começa a consumir um sanduíche atrás do outro mesmo muito depois de ficar claro que ele vai permanecer ali sozinha. Como se a maior história d horror de rejeição adolescente de alguém da produção fosse revivida ali com cores bem fortes.

Os dois primeiros longas de Skolimowski Rysopsis e Walkover se centram entorno de Andrzej (o próprio cineasta). Mesmo personagens, os mesmo sentimentos centrais (deslocamento, o panico da vida adulta), filmes radicalmente diferentes. Rysopis é um filme toda drenado, a neutralidade que o ator Skolimowski expressa tão bem domina a ação. Dentro do tal cinema moderno dos anos 60 poucos filmes parecem se esforçar tanto para anular a euforia do cinema. Existem muitos planos-seqüências cuidadosamente coreografados e a tensão inevitável quando existe uma data limite (Andrzej é informado logo no começo que precisa se apresentar ao serviço militar as três horas do dia seguinte), mas o filme segue dedicado ao seu retrato duro quase sem concessões. A exceção fica por uma excitante seqüência subjetiva enquanto Andrzej desce as pressas à escadaria do seu prédio. Raro momento de liberdade num filme previsto no afunilamento dela. Apesar da secura não se trata de um filme realista (o cineasta emprega a mesma atriz para os três principais papéis femininos). Rysopsis se assemelha mais a alguns filmes japoneses do período do que vinha se produzindo na Europa seja na sua crueldade, seja nas suas operações preferidas para desestabilizar o naturalismo. O filme simpatiza com a posição anti-social de Andrzej, mas não mostra mais do que curiosidade por ele.

Rysopsis termina com Andrzej pegando um trem e Walkower começa com ele descendo de um. A quase gag interna mais do que conectar os dois projetos diz muito sobre a mudança de tom aqui. Walkower é ainda mais rigorosamente construído, mas é um filme que respira com uma leveza bem distante de Rysopsis. A deadline aqui é muito mais abstrata e ao mesmo tempo real: Andrzej está beira dos 30 anos. Ele tem ainda menos raízes e se desespera ainda mais sobre a idéia de fincá-las. Walkower se distancia de Rysopsis sobretudo por ter uma empatia que a secura do estudo de caso do filme anterior impedia: Andrzej é lutador de boxe como Skolimowski e o filme o associa a poemas escritos pelo diretor. Entre Rysopsis e Walkower chegamos a primeira pessoa. Boa parte do filme se constrói entre elaborados planos seqüências em que Andrzej corteja uma ex-colega que encontra no seu retorno a Varsóvia. Walkower tem bem mais cenas de discussão que Rysopsis mas ambos são filmes impulsionados pela ação: os longos planos vão aos poucos sugerindo um completo desarranjo entre Andrzej e o mundo que ele desesperadamente tenta se afastar.

O filme e personagem finalmente alcançam seu habitat natural quando Andrzej sobe ao ringue. Boxe poucas vezes fez tão sentido do que quando Skolimowski está ali ele próprio disparando socos e sendo castigado em retorno. O cineasta filma o ringue de dentro sem nenhum interesse no tipo de tour de force hustoniano que Scorsese eternizaria mais tarde em Touro Indomável: boxe em Walkower é uma questão de corpos coreografados no plano. Não é a câmera que projeta energia, mas o próprio corpo do seu autor/ator que pode finalmente sair da posição defensiva e se liberar junto ao espectador. Walkower é a despeito de toda sua energia um filme ainda mais fatalista que Rysopsis: caminha de forma estreita até duas escolhas igualmente inúteis. O filme até nos nega seu retorno ao ringue e entrega só os rituais esvaziados do boxe amador. Até a recusa da responsabilidade leva a mediocridade. Walkower encontra seu palco e depois o esvazia.

Se entre Walkower e Rysopsis, qualquer sugestão de realismo se dissolvia e o filme aos poucos se estabelecia como um duelo entre seu protagonista e o mundo, Bariera intensifica o processo ainda mais. Jan Nowicki não tem nada da presença do ator Skolimowski e quase desaparece em meio ao mundo a sua volta que ganha tons de cinema fantástico. A atmosfera sobrenatural que ocasionalmente ecoavam nos planos-seqüências de Andrzej caminhando em Walkower se torna predominante aqui. A paisagem que Nowicki transpassa tem um inegável valor simbólico, mas Bariera nunca sugere abstração, seus sentimentos de inadequação por demais diretos para uma alegoria.

O filme se abre num elaborado jogo entre um grupo de universitários que tem como premio a oportunidade de largar a faculdade. Skolimowski sempre teve um bom olho para o potencial de intensidade do ritualístico e ele é mais que aparente aqui. Ao final desta primeira seqüência de que Bariera é um filme incomum, Skolimowski famosamente afirmou que sua mente sempre fora treinada por associações poéticas e que narrativa direta lhe elude e Bariera é o momento onde seu cinema dá o salto definitivo. Se Walkower e Rysopsis se construíam na relação entre ator Skolimowski e a sua câmera, em Bariera seu principal colaborador é o compositor Krzystof Komeda cuja música vai aos poucos se estabelecendo como verdadeiro texto do filme. Nosso verdadeiro guia pelo seu mundo. Enquanto progride, Bariera vai aos poucos criando uma fissura dentro deste universo no meio de seu variado de situações (nunca temos certeza se o que vemos faz parte da narrativa ou se trata de uma alucinação), o desarranjo de Andrzej retomado de forma ainda mais cristalina enquanto a tal barreira do título – a primeira vista simplesmente referente só ao velho e o novo – vai ganhando mais sentidos.

Bariera acrescentou um peso histórico sugerido somente a distancia nos filmes protagonizados por Andrzej com a II Guerra uma assombração ainda muito viva a despeito de ser uma memória distante para os jovens personagens do diretor. Skolimowski realizou um último filme na Polônia, Hands Up! aue acabou interditado pelo censores e permaneceu inédito. Depois de 13 anos em que o cineasta filmou majoritariamente na Inglaterra, o governo polonês lhe deu sinal verde para finalmente lançá-lo. Só que a esta altura fica a pergunta o que fazer com material que representa um momento muito especifico da Polônia e do seu cineasta perdido 13 anos no tempo. No lugar de simplesmente lançar Hands Up! em 1981, Skolimowski o reeditou e acrescentou um prólogo de 25 minutos em forma de filme diário. As duas partes do filme não dialogam diretamente, nada no diário posterior do cineasta clarifica os significados do filme posterior, ao invés disso, elas assombram uma a outra. Hands Up! estabelece uma ponte entre 67 e 81, um filme que termina sendo ele próprio uma fissura no tempo. O Hands Up! original é um happening teatral bem mais obtuso que os três longas anteriores, muito do seu sentido quase indecifrável sem um conhecimento razoável sobre a Polônia. Skolimowski sempre afirmou trata-se do seu trabalho favorito e o filme avança em direção a meia dúzia de minutos finais de espetáculo físico impressionante, mas o filme parece mais completo e focado neste seu estado eternamente transitório entre dois momentos, o fim dos anos 60 e o surgimento de Lech Walessa.

Holds Up! devolveu a Polônia ao centro das preocupações do cineasta, o resto da sua produção dos anos 80 toda voltada para um dialogo com seu país do ponto de vista de um artista expatriado. A Classe Operária e O Sucesso é a Melhor Vingança são estudos em contrastes; o primeiro – único filme na obra do diretor a alcançar alguma popularidade fora do circulo dos seus cultores – equilibra uma construção clássica com a improvisação diária no set proveniente da decisão de incorporar a corte marcial baixada no seu país natal durante as filmagens, enquanto o segundo – uma produção bem maior – é deliberadamente fragmentado e descentralizado. Ambos os filmes fazem uso extensivo da residência londrina do cineasta. Curiosamente o clássico A Classe Operária é de um frescor maior que o jogo de espelhos ultra moderno de O Sucesso é a Melhor Vingança.

A Classe Operária é quase um filme de ação. Tudo nele se resolve em atividades concretas. Enquanto O Sucesso é um filme todo construído sobre possíveis discursos sobre a Polônia, os personagens de A Classe Operária só podem se concentrar no momento seguinte. Temos um grupo de operários poloneses lançados ilegalmente em Londres para reformar uma casa de algum figurão em quatro semanas. Apenas o mais jovem deles Nowak (Jeremy Irons) fala qualquer palavra de inglês e enquanto a obra atrasa, o orçamento para sobrevivência se revela consideravelmente enxuto e seu país natal entra em crise, Nowak começa a tomar decisões progressivamente extremas para concluir o trabalho: manter seus homens no escuro sobre as noticias, alterar relógios de forma a tornar a jornada de trabalho mais longa e algumas soluções bem criativas para multiplicar as compras (digamos apenas que cada cena passada num supermercado é um clássico). O elenco de apoio polonês é a melhor companhia de comediantes mudos de todo o cinema e Irons isolado na maior parte do tempo faz um solo quase silencioso num trabalho de cinema físico impressionante. Como tradução do exílio, isolamento, de ter de viver no tempo presente – nenhuma margem de segurança, somente cada momento contando – a poucos paralelos para esta bela e triste comedia.

Depois do sucesso de A Classe Operária, o cineasta fez o fascinante e caótico O Sucesso é a Melhor Vingança e uma série de adaptações literárias (a melhor sem dúvidas The Lightship entre o filme de câmara e o thirller) antes de entrar num longo sabático em que se dedicou a sua carreira paralela de pintor. O que nos traz de volta a Quatro Noites com Anna. Um filme simplíssimo sobre o desajeitado e desagradável voyeur que passa seus dias e noites obcecado por uma enfermeira. È um filme de mestre impecavelmente controlado nos seus pouquíssimos elementos de cena – da secura da paleta de cores da fotografia as poucas locações e atores. Estamos muito distantes dos jovens desorientados dos seus primeiros longas e da necessidade de tentar dialogar com seu pais distante de Classe Operaria e da versão 2.0 de Hands Up!, mas lá está o mesmo absurdo, a mesma confusão perante ao mundo. Jerzy Skolimowski é um dos grandes cineastas pouquíssimo reconhecidos, a precisão de Quatro Noites com Anna só reafirma isso.

2 Comentários

Arquivado em Filmes, Programação

Descobrindo o Cinema Filipino

Bela mostra organizada no CCBB (São Paulo de 9 a 27/6, Rio de 29/6 a 15/7 e Brasilia de 13/7 a 1/8) pelos ex-Contracampo Leonardo Levis e Raphael Mesquita. A seleção é excelente e inclui todos os nomes mais badalados do novo cinema filipino (Lav Diaz, Raya Martin, John Torres, Khavn de la Cruz, Brillante Mendoza), assim como clássicos de Lino Brocka, Ishmael Bernal, Mike De Leon e Kindlat  Tahmik.

Como já disse aqui algumas vezes, o cinema filipino recente está entre os mais interessantes realizados hoje e a seleção da mostra é quase toda de inéditos (salvo por Independencia, Melancolia, Serbis e Kinatay, e mesmo assim nenhum destes filmes passou no Rio ou Brasilia).

Recomendo a sério tentar ver o máximo de títulos possiveis, irei até sacrificar alguns jogos da Copa pela mostra.

Programação, sinopses e alguns artigos sobre os filmes estão disponiveis no site oficial.

1 comentário

Arquivado em Programação

Cannes – Seleção Oficial

Filme de Abertura

Ridley SCOTT ROBIN HOOD H.C. 2h11

Competição

Mathieu AMALRIC TOURNÉE 1h51
Xavier BEAUVOIS DES HOMMES ET DES DIEUX 2h00
Rachid BOUCHAREB HORS LA LOI 2h11
Alejandro GONZÁLEZ IÑÁRRITU BIUTIFUL 2h18
Mahamat-Saleh HAROUN UN HOMME QUI CRIE 1h40
IM Sangsoo HOUSEMAID 1h46
Abbas KIAROSTAMI COPIE CONFORME 1h46
Takeshi KITANO OUTRAGE 2h00
LEE Chang-dong POETRY 2h15
Mike LEIGH ANOTHER YEAR 2h09
Doug LIMAN FAIR GAME 1h44
Sergei LOZNITSA YOU. MY JOY 1h50
Daniele LUCHETTI LA NOSTRA VITA 1h33
Nikita MIKHALKOV UTOMLYONNYE SOLNTSEM 2 2h21
Bertrand TAVERNIER LA PRINCESSE DE MONTPENSIER 2h15
Apichatpong WEERASETHAKUL LOONG BOONMEE RALEUK CHAAT 1h30

Un Certain Regard

Derek CIANFRANCE BLUE VALENTINE 1er film 1h34
Manoel DE OLIVEIRA O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA (Angelica) 1h34
Xavier DOLAN LES AMOURS IMAGINAIRES 1h35
Ivan FUND, Santiago LOZA LOS LABIOS 1h40
Fabrice GOBERT SIMON WERNER A DISPARU… 1er film 1h27
Jean-Luc GODARD FILM SOCIALISME 1h41
Christoph HOCHHÄUSLER UNTER DIR DIE STADT (The City Below) 1h45
Lodge KERRIGAN REBECCA H. (RETURN TO THE DOGS) 1h15
Ágnes KOCSIS PÁL ADRIENN (Adrienn Pál) 2h16
Vikramaditya MOTWANE UDAAN 1er film 2h18
Radu MUNTEAN MARTI, DUPA CRACIUN (Mardi, après Noël) 1h39
Hideo NAKATA CHATROOM 1h37
Cristi PUIU AURORA (Aurore) 2h59
HONG Sangsoo HA HA HA 1h56
Oliver SCHMITZ LIFE ABOVE ALL (La Vie avant tout) 1h40
Daniel VEGA OCTUBRE (Octobre) 1er film 1h23
David VERBEEK R U THERE 1h27
Xiaoshuai WANG RIZHAO CHONGQING (Chongqing Blues) 1h45

Fora da Competição

Woody ALLEN YOU WILL MEET A TALL DARK STRANGER 1h38
Stephen FREARS TAMARA DREWE 1h49
Oliver STONE WALL STREET – MONEY NEVER SLEEPS (Wall Street – l’argent ne dort jamais) 2h16
Séances de minuit :
Gregg ARAKI KABOOM 1h28
Gilles MARCHAND L’AUTRE MONDE 1h40
Séances spéciales :
Charles FERGUSON INSIDE JOB 2h00
Sophie FIENNES OVER YOUR CITIES GRASS WILL GROW 1h40
Patricio GUZMAN NOSTALGIA DE LA LUZ (Nostalgie de la lumière) 1h30
Sabina GUZZANTI DRAQUILA – L’ITALIA CHE TREMA 1h30
Otar IOSSELIANI CHANTRAPAS 2h05
Diego LUNA ABEL 1er film 1h20

Competição das mais desinteressantes que eu me lembro. Pelo numero de titulos devem anunciar mais uns 3 filmes, mas a impressão não é das mais promissoras.

Primeiro filme em competição de KIarostami desde O Vento nos Levará (não só em Cannes).

O processo de reabilitar a Un Certain Regard parece completo, mas como Fremaux não tem culhões para selecionar um numero suficiente de filmes interessantes veio ao custo de uma piora sensivel da seção principal.

Godard parece que optou pela Un Certain Regard, mas dado o desinteresse da selrção principal duro entender porque Puiu ou Hong estão aqui (vai ver Doug Liman era importante demais).

Agora aguardar pelo mais importante (a Quinzena).

8 Comentários

Arquivado em Programação

Premiere Brasil II

Completando a programação da Premiere Brasil:

Novos Rumos
A Falta Que Nos Move, de Christiane Jatahy
Fluidos, de Alexandre Carvalho
Intruso, de Paulo Fontenelle
Inversão, de Edu Felistoque
Morgue Story – Sangue, Baiacu e Quadrinhos, de Paulo Biscaia Filho
O Paraíba, de Samir Abujamra
Sem Fio, de Tiaraju Aronovich
Vida de Balconista, de Cavi Borges e Pedro Monteiro

Curtas
25, de Vera Egito
A Ilha, de Ale Camargo
A Montanha Mágica, de Petrus Cariry
A pensão dos caranguejos, de Marcel Presotto
Ana Beatriz, de Clarissa Cardoso
Bom dia, meu nome é Sheila, de Ângelo Defanti
Doce amargo, de Rafael Primot
Groelandia, de Rafael Figueiredo
O coração às vezes para de bater, de Maria Camargo
O nome do gato, de Pedro Ribeiro Couto
O troco, de André Rolim
Olhos de ressaca, de Petra Costa
Predileção, de Márcio Garcia
Quase todo dia, de Gandia Monteiro
Sildenafil, de Clovis Mello
Um dia de sorte, de Beto Moreira
Curtas fora de competição:
O Príncipe encantado, de Sérgio Machado
O teu sorriso, de Pedro Freire

Retratos
A Raça Síntese de Joãosinho Trinta, de Paulo Machline e Giuliano Cedroni (sobre o carnavalesco Joãosinho Trinta)
B1 – Tenório em Pequim, de Felipe Braga e Eduardo Hunter Moura (sobre o judoca profissional Antonio Tenório, um dos poucos deficientes visuais no mundo a competir tanto em campeonatos paraolímpicos quanto regulares)
Caro Francis, de Nelson Hoineff (sobre o jornalista Paulo Francis)
Cildo, de Gustavo Moura (sobre o artista plástico Cildo Meireles)
Em quadro, de Luiz Antonio Pilar (sobre os atores: Milton Gonçalves, Zezé Mota, Ruth de Souza e Léa Garcia)
Notas Soltas sobre um Homem só, de Carlos de Moura Ribeiro Mendes (sobre o compositor e maestro Camargo Guarnieri)
O pequeno burguês – filosofia de vida, de Edu Mansur – (sobre Martinho da Vila)

Música
Beyond Ipanema: Ondas Brasileiras na Música Global, de Guto Barra
Continuação, de Rodrigo Pinto (A intimidade da criação do compositor brasileiro Lenine)
Herbert de Perto, de Roberto Berliner e Pedro Bronz
Rock Brasileiro – História em Imagens, de Bernardo Palmeiro

Deixe um comentário

Arquivado em Programação

Premiere Brasil

Sairam os filmes da Premiere Brasil do Festival do Rio.

Ficção
BELLINI E O DEMÔNIO, de Marcelo Galvão (90, SP)
CABEÇA A PRÊMIO, de Marco Ricca (104, SP)
DO COMEÇO A FIM, de Aluizio Abranches (95, RJ)
HISTÓRIAS DE AMOR DURAM APENAS 90 MINUTOS, de Paulo Halm (90, RJ)
HOTEL ATLÂNTICO, de Suzana Amaral (107, SP)
NATIMORTO, de Paulo Machline (92, SP)
O AMOR SEGUNDO B. SCHIANBERG, de Beto Brant (80,SP)
OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE, de Esmir Filho (101, SP)
OS INQUILINOS, de Sergio Bianchi (SP)
SONHOS ROUBADOS, de Sandra Werneck (85, RJ)
VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO, de Karim Ainouz e Marcelo Gomes (71, PE)

Hors Concurs
ANTES QUE O MUNDO ACABE, de Ana Luiza Azevedo (97, RS)
INSOLAÇÃO, de Daniela Thomas e Felipe Hirsch (100, SP)
OLHOS AZUIS, de José Joffily (105, RJ)

Documentário
À MARGEM DO LIXO, de Evaldo Mocarzel (84, SP)
BELAIR, de Noa Bressane e Bruno Safadi (80, RJ)
DZI CROQUETTES, de Tatiana Issa e Raphael Alvarez (110, RJ)
REIDY, A CONSTRUÇÃO DA UTOPIA, de Ana Maria Magalhães (77, RJ)
SEQÜESTRO, de Wolney Atalla (94, SP)
TAMBORO, de Sergio Bernardes (90, RJ)
PENAS ALTERNATIVAS, de Lucas Margutti e João Valle (71, RJ)

Hors Concours
CIDADÃO BOILESEN, de Chaim Litewski (93′ RJ)
ALÔ, ALÔ THEREZINHA, de Nelson Hoineff (RJ)

5 Comentários

Arquivado em Programação

4o Festival de Cinema Latino de SP: Algumas sugestões

Dia 6 começa aqui em São Paulo a 4º edição do Festival de Cinema Latino que vem melhorando muito a cada ano. Neste ano a sessão contemporânea me parece muito boa corrigido inclusive algumas lacunas que a Mostra deixou no ao passado. Entre os brasileiros mais uma chance de ver Moscou do Coutinho e O Fim da Picada do Saaghard e as primeiras exibições em São Paulo do Meu Mundo em Perigo do José Eduardo Belmonte e No Meu Lugar do Eduardo Valente (tem também a primeira exibição do filme novo do Roberto Moreira para quem se interessar). Entre os internacionais ao menos três filmes que eu recomendaria o esforço de ver:
Uma Semana Sozinhos – Vi este em Buenos Aires ano passado. Ótimo segundo longa da diretora de Ana e os Outros.
Histórias Extraordinárias – Fiquei arrependido de perder este no BAFICI ano passado já que os comentários que ouvi/li eram todos muito entusiasmados. Dito isso é um filme de quatro horas.
Vou Explodir – Filme mexicano que recebeu elogios de alguns cinéfilos que eu confio.

Há ainda alguns filmes de veteranos (Leonardo Favio, Juan Carlos Tíbio) que podem valer a aposta e algumas mostras (Alex Viany, outra de retomada do cinema latino americano com uma seleção um tanto tímida, mas que inclui nova chance para quem nunca viu Mundo Grua). Programação e sinopses no site.

2 Comentários

Arquivado em Programação

Enquanto o circuito não colabora

Descobri ontem que o filme da Kathryn Bigelow já saiu em DVD por aqui. Pena, contava em assistir-lo numa tela grande. E o nosso circuito segue de mal a pior. De qualquer forma fica a dica.

Por sinal, A Viagem do Balão Vermelho também chega por agora as locadoras. Pelo menos vi o belo filme do Hou duas vezes em cinema.

Alias, os dois filmes são melhores do que qualquer filme não dirigido por Clint Eastwood a chegar aos cinemas nacionais este ano.

9 Comentários

Arquivado em Programação

Brakhage no Rio

Grande notícia para os cariocas. Depois de alguns anos de tentativa deve rolar na Caixa Cultural uma retrospectiva de Stan Brahkage. Vai de 7 a 12 de Abril. Dog Star Man é imperdível, assim como o programa 1 (onde rola Antecipation of the Night e Mothlight) e o programa 4 (com o monumento conhecido como The Act of Seeing with One Own Eyes). Esqueçam o É Tudo Verdade, ai está um programa incontornável. A programação esta disponivel aqui.

4 Comentários

Arquivado em Programação