The Hurt Locker (Kathryn Bigelow,08)

Kathryn Bigelow certamente fez o melhor sci-fi hawksiano sobre a guerra do Iraque. Filme impressionante justamente na forma como existe exclusivamente por conta da ação. Não existe nada em cena que não envolva os três personagens centrais (uma unidade de desarmadores de bomba do exercito americano) lidando com seu trabalho. As 3 ou 4 cenas que escapam deste foco são filmadas de forma a destacar como o interesse de Bigelow esta bem distante delas. Tudo que nos podemos compreender dos personagens surge exclusivamente de como estes homens se portam diante do seu trabalho (há uma sequência de cerca de quinze minutos envolvendo uma bomba num carro que é uma aula de como usar ação para melhor estabelecer personagens). O filme se estrutura como uma série de trabalhos variados que os três soldados têm de se submeter (bem diferentes entre eles e evitando as ações óbvias com bombas que o espectador já está acostumado). Trata-se fácil do mais autentico filme sobre a guerra do Iraque lançado até agora com uma atenção para detalhes do trabalho de soldados que sugerem um trabalho extenso de pesquisa, mas ao mesmo tempo impressiona como a Bigelow faz bom uso da sua longa experiência em filmes de gênero para estabelecer a atmosfera do filme. Pois apesar de toda sua autenticidade, The Hurt Locker parece-nos sempre uma experiência fantástica com homens colocados num universo paralelo tanto para o espectador – e o filme certamente reforça sempre o estranhamento do que esta em cena – como para eles mesmos. A idéia central – a guerra como um vício – recebe um tratamento que se assemelha mais de como este tipo de metáfora costuma surgir nos filmes de horror ou ficção cientifica, é quase um vírus cronenbergiano que existe ali em meio aos personagens. Tudo isto com o contraponto desta enfâse em trabalho/ação e um pragmatismo/estoicismo hawksiano na maneira com que cada personagem se relaciona com as tarefas que recebem.

18 Comentários

Arquivado em Filmes

18 Respostas para “The Hurt Locker (Kathryn Bigelow,08)

  1. Nossa, nem sabia da existência desse filme! Pela sua descrição acho que vou gostar bastante! Vou procurar na internet!

    • Paula

      Nossa, comprei esse filme no ano passado numa banquinha aqui no Itaim. Nunca tinha ouvido falar também, mas gostei bastante. Agora ele é indicado ao Oscar rsrsrs. A imagem está ótima e a legenda também!!!

  2. Filipe Furtado

    Cara, tenho certeza que você vai gostar.

  3. Leandro Caraça

    Parece bom. A moça não lança um longa que presta desde CAÇADORES DE EMOÇÃO.

  4. Filipe Furtado

    Strange Days presta e muito.

  5. Fernando

    E O Peso da agua, o que voce acha?

  6. Filipe Furtado

    É o unico filme ruim dela.

  7. Rudá

    vai passar em circuito aqui não?

  8. Filipe Furtado

    Não tenho idéia, mas deveria.

  9. Gosto bastante de Strange Days, mesmo reconhecendo as imperfeições.

    Filipe: “Trata-se fácil do mais autentico filme sobre a guerra do Iraque lançado até agora”.

    uma obs e uma pergunta:

    – pela afirmação, é um anti-Stop-loss.

    – e Redacted, como tu coloca nisso? Não quero defender o filme como “o mais autêntico”, mas fiquei curioso em saber de como tu coloca esses dois filmes sob essa perspectiva.

  10. Filipe Furtado

    Acho que a Bigelow e De Palma abordam algumas das mesmas questões por angulos bem diferentes. O filme da Bigelow brota de um olhr de quem passou muito tempo pesquisando sobre a experiência daquele tipo de soldado, enquanto o do De Palma surge de sentiumentos fortes dele a respeito de uma situação especifica.

  11. Leandro Caraça

    Vi STRANGE DAYS no cinema na época. Achei pretencioso e previsível. Vou rever mais tarde. Não saiu em DVD ainda, não é ?

  12. Filipe Furtado

    Cara, o filme tem seus defeitos, mas merece outra chance. acho que não saiu em DVD não. Mas tem como baixar DVDRip de 1.4GB.

  13. Jordan Bruno

    vi no boxofficemojo.com uma data de lançamento nos cinemas dos EUA pro dia 26 de junho ………

  14. Vi o filme e estou aqui agora buscando mais informações sobre ele, achei um filme sensacional e que não apela para grandes alegorias e computação grafica, é tanta simplicidade que valoriza mais os personagens.
    Com certeza é um otimo filme.

  15. Pingback: Enquanto o circuito não colabora « Anotacões de um Cinéfilo

  16. Pingback: Rosebud é o Trenó! | O blog pra quem sabe que Norman Bates é a mãe, o Bruce Willis está morto no final, Tyler Durden é coisa da sua cabeça e, claro, Rosebud é o trenó!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s