Mostra 2014

Los Angeles por Ela Mesma, de Thom Andersen

Los Angeles por Ela Mesma, de Thom Andersen

Como sempre faço uma lista de indicações para Mostra. Está divida em 3 blocos, os dois primeiros tem 10 filmes cada e são recomendações mais fortes. Asterisco indica que eu já vi o filme.

A MOÇA E OS MÉDICOS (TIREZ LA LANGUE, MADEMOISELLE), de Axelle Ropert (100′). FRANÇA.
A PROFESSORA DO JARDIM DE INFÂNCIA (HAGANENET), de Nadav Lapid (119′). ISRAEL, FRANÇA.
*DETETIVE D: O DRAGÃO DO MAR (DI RENJIE: SHEN DU LONG WANG), de Hark Tsui (130′). CHINA.
*DO QUE VEM ANTES (MULA SA KUNG ANO ANG NOON), de Lav Diaz (338′). FILIPINAS.
JAUJA (JAUJA), de Lisandro Alonso (108′). ARGENTINA, DINAMARCA, FRANÇA, MÉXICO, EUA, ALEMANHA E BRASIL.
NOITES BRANCAS NO PÍER (NUITS BLANCHES SUR LA JETÉE), de Paul Vecchiali (94′). FRANÇA.
O VELHO DO RESTELO, de Manoel de Oliveira(19′). (o Alentejo, Alentejo que passa com ele estaria na terceira lista)
OS CONVIDADOS (THE GUESTS), de Ken Jacobs (79′). ESTADOS UNIDOS.
QUEEN & COUNTRY (QUEEN & COUNTRY), de John Boorman (115′). REINO UNIDO.
UM POMBO POUSOU NUM GALHO REFLETINDO SOBRE A EXISTÊNCIA (EN DUVA SATT PÅ EN GREN OCH FUNDERADE PÅ TILLVARON), de Roy Andersson (100′). SUÉCIA, ALEMANHA, NORUEGA, FRANÇA.

A VIDA INVISÍVEL (A VIDA INVISÍVEL), de Vítor Gonçalves (99′). PORTUGAL.
ACIMA DAS NUVENS (CLOUDS OF SILS MARIA), de Olivier Assayas (123′). FRANÇA, SUIÇA, ALEMANHA.
CARTA A UM PAI (CARTA A UN PADRE), de Edgardo Cozarinsky (70′). ARGENTINA, FRANÇA.
*COM OS PUNHOS CERRADOS (COM OS PUNHOS CERRADOS), de Luiz Pretti, Pedro Diogenes, Ricardo Pretti (74′). BRASIL.
*COSTA DA MORTE (COSTA DA MORTE), de Lois Patiño (84′). ESPANHA.
DOIS DIAS, UMA NOITE (DEUX JOURS, UNE NUIT), de Jean-Pierre Dardenne, Luc Dardenne (95′). BÉLGICA, FRANÇA, ITÁLIA.
DUAS IRMÃS, UMA PAIXÃO (DIE GELIEBTEN SCHWESTERN), de Dominik Graf (138′). ALEMANHA, AUSTRIA, SUIÇA.
ELA VOLTA NA QUINTA (ELA VOLTA NA QUINTA), de André Novais Oliveira (108′). BRASIL.
MINHA AMIGA VICTORIA (MY FRIEND VICTORIA), de Jean Paul Civeyrac (95′). FRANÇA.
PÁSSARO BRANCO NA NEVASCA (WHITE BIRD IN A BLIZZARD), de Gregg Araki (91′). FRANÇA, ESTADOS UNIDOS.

A CIDADE IMAGINARIA (A CIDADE IMAGINARIA), de Ugo Giorgetti (52′). BRASIL.
A COR QUE CAIU DO CÉU (EL COLOR QUE CAYO DEL CIELO), de Sergio Wolf (75′). ARGENTINA.
A HISTÓRIA DA ETERNIDADE (A HISTÓRIA DA ETERNIDADE), de CAMILO CAVALCANTE (120′). BRASIL.
A PEQUENA CASA (CHIISAI OUCHI), de Yoji Yamada (136′). JAPÃO.
A SELVA INTERIOR (LA JUNGLA INTERIOR), de Juan Barrero (80′). ESPANHA.
A VIDA PRIVADA DOS HIPOPÓTAMOS (A VIDA PRIVADA DOS HIPOPÓTAMOS), de Maíra Bühler, Matias Mariani (91′). BRASIL.
AMOR À PRIMEIRA BRIGA (LES COMBATTANTS), de Thomas Cailley (98′). FRANÇA.
ARRAIANOS (ARRAIANOS), de Eloy Enciso Cachafeiro (70′). ESPANHA.
AS BRUXAS DE ZUGARRAMURDI (LAS BRUJAS DE ZUGARRAMURDI), de Álex de la Iglesia (114′). ESPANHA,FRANÇA.
AS MARAVILHAS (LE MERAVIGLIE), de Alice Rohrwacher (111′). ITÁLIA,SUÍÇA,ALEMANHA.
AS NOITES BRANCAS DO CARTEIRO (BELYE NOCHI POCHTALONA ALEKSEYA TRYAPITSYNA), de Andrei Konchalovskiy (110′). RUSSIA.
AU FIL D’ARIANE (AU FIL D’ARIANE), de Robert Guédiguian (92′). FRANÇA.
AUSÊNCIA (AUSÊNCIA), de Chico Teixeira (87′). BRASIL.
BAAL (BAAL), de Volker Schlöndorff (88′). ALEMANHA.
*BRANCO SAI PRETO FICA (BRANCO SAI PRETO FICA), de ADIRLEY QUEIRÓS (93′). BRASIL.
*CAMPO DE JOGO (CAMPO DE JOGO), de Eryk Rocha (71′). BRASIL.
CASA GRANDE (CASA GRANDE), de Fellipe Barbosa (114′). BRASIL.
CASTANHA (CASTANHA), de Davi Pretto (95′). BRASIL.
DÓLARES DE AREIA (DOLARES DE ARENA), de Laura Amelia Guzmán, Israel Cárdenas (85′). REP. DOMINICANA, MÉXICO, ARGENTINA.
EL MUDO (EL MUDO), de Daniel Vega, Diego Vega (86′). PERU, FRANÇA, MEXICO.
ESTRELA CADENTE (STELLA CADENTE), de Lluís Miñarro (105′). ESPANHA.
FORÇA MAIOR (TURIST), de Ruben Ostlund (118′). SUÉCIA , DINAMARCA, NORUEGA.
MAPA (MAPA), de Leon Siminiani (85′). ESPANHA.
NON FICTION DIARY (NON FICTION DIARY), de JUNG Yoon-suk (93′). CORÉIA DO SUL.
O FIM DE UMA ERA (O FIM DE UMA ERA), de Bruno Safadi, Ricardo Pretti (70′). BRASIL.
O HOMEM QUE ELAS AMAVAM DEMAIS (L´HOMME QU´ON AIMAIT TROP), de André Téchiné (116′). FRANÇA.
O PEQUENO QUINQUIN (P’TIT QUINQUIN), de Bruno Dumont (200′). FRANÇA.
OBRA (OBRA), de Gregorio Graziosi (80′). BRASIL.
OPIUM (OPIUM), de Arielle Dombasle (77′). FRANÇA.
OS MAIAS – CENAS DA VIDA ROMÂNTICA (OS MAIAS – CENAS DA VIDA ROMÂNTICA), de João Botelho (133′). BRASIL,PORTUGAL.
PARIS DO NORTE (PARÍS NORÐURSINS), de Hafsteinn Gunnar Sigurðsson (95′). ISLÂNDIA.
PERÍODO DE GESTAÇÃO (UNCERTAIN TERMS), de Nathan Silver (74′). ESTADOS UNIDOS.
PERMANÊNCIA (PERMANÊNCIA), de Leonardo Lacca (90′). BRASIL.
PORQUE EU ERA PINTOR (PARCE QUE J’ÉTAIS PEINTRE), de Christophe Cognet (104′). FRANÇA, ALEMANHA.
PROMETO UM DIA DEIXAR ESSA CIDADE (PROMETO UM DIA DEIXAR ESSA CIDADE), de Daniel Aragão (90′). BRASIL.
RETORNO A ÍTACA (RETOUR À ITHAQUE), de Laurent Cantet (95′). FRANÇA.
RHINO SEASON (FASLE KARGADAN), de Bahman Ghobadi (88′). IRÃ, IRAQUE, TURQUIA.
RUA SECRETA (SHUIYIN JIE), de Vivian Qu (94′). CHINA.
SINFONIA DA NECRÓPOLE (SINFONIA DA NECRÓPOLE), de Juliana Rojas (85′). BRASIL.
TRISTEZA E ALEGRIA (SORG OG GLÆDE), de Nils Malmros (107′). DINAMARCA.
*VENTOS DE AGOSTO (VENTOS DE AGOSTO), de Gabriel Mascaro (77′). BRASIL.
WINTER SLEEP (KIS UYKUSU), de Nuri Bilge Ceylan (196′). TURQUIA, ALEMANHA, FRANÇA.

Além disse como sempre vale destacar as retrospectivas e cópias de filmes restaurados que como sempre são um ponto forte da Mostra. A homenagem ao Victor Erice apesar de infelizmente não contar com seus curtas é obrigatória para quem não conhece. Nunca vi nada do Noboru Nakamura, mas o Sérgio Alpendre que conhece cinema japonês melhor do que eu recomendo-o bastante especalmente Lar Doce Lar e Paixão Mórbida. Dentro da retrospectiva do Marin Karmitz, destaco em especial Melo (Resnais), Salto no Vazio (Bellocchio) e Conto de Cinema (meu Hong Sang-soo favorito).

Meus grandes destaques porém ficam por conta das exibições de Los Angeles por Ela Mesma do Thom Andersen e Anna do Alberto Grifi e Massimo Sarchielli, ambos são filmes bem longos, mas essenciais e são oportunidade raras de ver no cinema.

4 Comentários

Arquivado em Programação

4 Respostas para “Mostra 2014

  1. Sonia Barros

    Valeu, Filipe! Obrigadão!

  2. guilherme

    toma tenência, filipe! os dardenne sempre no primeiro escalão. e, no caso deste novo filme deles, jesus cristo, primeiríssimo escalão, lugar no céu garantido.

    • Filipe Furtado

      Guilherme, eu tendo a dar uma pequena (bem pequena, diga-se) desvantagem para filmes que eu sei que vão entrar em cartaz. Colocando em termos práticos o desempate entre os Dardenne e o Boorman é que não se terei outra chance de ver o Queen and Country em cinema e Dois Dias, Uma Noite va estar no Reserva daqui a pouco.

  3. Zé Luiz

    Como sempre, bem interessante a lista, Filipe!

    Só senti falta de A CRIAÇÃO DO SENTIDO e A GANGUE… não te interessaram muito?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s