Inácio como sempre preciso

Nada como ler Inácio Araujo que diz mais numa nota de rodapé do que muitos criticos em 5 mil toques. Sobre Invictus:

(P.S. – Pode-se apontar uma série de fraquezas no filme. Pode-se dizer que existe um “núcleo branco” desenvolvido quase que nem em novela. ou que a cena da distribuição de um ticket para a empregada é frouxíssima (dessa eu não discordo, aliás). Mas a grandeza de Clint está, em parte, em ser alguém muito prático. Faz filmes modernos não porque recorra a técnicas modernas ou acelere absurdamente a duração dos planos. Mas porque tem algo a dizer ao tempo presente, concorde-se ou não, e diz. Seu cinema nunca é um passatempo, embora pareça, de tão agradável que é.)

5 Comentários

Arquivado em Filmes

5 Respostas para “Inácio como sempre preciso

  1. Guilherme Gaspar

    Enquanto isso, eu tenho que aguentar nego me falando que quem tem razão nessa história é o Barcinski…

    Só pode ser cegueira.

  2. Brunocur

    Não consigo enxergar tantos problemas em Invictus quanto alguns apontam. Acredito se tratar de um ótimo entretenimento que, como bem disse o Inácio, tem muito a mostrar. Não importa que os últimos 20 minutos sejam de uma partida de rugby, sem qualquer desenvolvimento dos personagens, ou que a questão racial sul-africana não seja tão harmônica quanto a imagem da criança negra sentada no capô dos policiais brancos podem indicar; O que importa é que ambos momentos funcionam, compondo um belo filme que, demagogicamente ou não, apresenta a possibilidade de paz e justiça, e isso, filmado tão bem quanto aqui, só deve ser incentivado.

  3. Tiago Superoito

    O Inácio lê seu blog, né, Filipe. Porque tá bem parecido com o textinho que você escreveu sobre o filme na sua lista de melhores do ano, hehe.

  4. Filipe Furtado

    Guilherme, quando eu postei nem lera a Folha ainda. Mas o texto do Barcinski é puro cliche como sempre.

    Tiago, tenho quase certeza que o Inacio não tem nenhuma ideia que este espaço existe.

  5. Também concordo contigo e com o Inácio. Mas não vejo por que o espanto com os clichês. O filme pedia aquilo e a África do Sul era mesmo formada por núcleos brancos e negros, mas que em qualquer novela da Globo. Isso é acessório ao flime de Eastwood. O que ele tem a dizer é dito de forma irretocável. O país simbólico construído em campo e através de um estadista que vê tanto na política quanto no esporte muito mais que uma oportunidade de revanche, a possibilidade de construir um país com negros e brancos convivendo e se respeitando como iguais. O resto a gente já viu por aí desde o início do cinema.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s