Histórias Extraordinárias (Mariano Lliñas,08)

Tudo em Histórias Extraordinárias é grande. Dentro das suas três histórias surgem vários outros pequenos filmes e Lliñas vai colecionando idéias, situações e personagens suficientes para povoar uma dúzia de outros longas metragens. Trata-se de um filme que passeia com desenvoltura por uma infinita fauna de gêneros cinematográficos: thriller, melodrama, comédia, filme de guerra, road movie e sobretudo o filme de aventura. È um filme sobre narrativa realizado por alguém com um prazer enorme em contar causos. Quase como um filme de Raoul Ruiz feito com ambição wellesiana (apesar de lembrar bastante o Rivette dos anos 70 sem a fascinação pelos atores). È exaustivo sem dúvidas, mas jamais passa mais que alguns minutos sem que algo no filme maravilhe o espectador. È o prazer com que Lliñas constrói suas situações que cativa. Histórias Extraordinárias existe num universo paralelo ao de boa parte do cinema argentino recente (seja este bom ou mero embuste), pode-se até dizer que parece existir contra ele, mas é também o melhor filme de lá que veja desde As Luvas Mágicas do Martin Rejtman.

Deixe um comentário

Arquivado em Filmes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s