Alguns favoritos vistos pela primeira vez em 2019

(English version here)

Comentários para os primeiros 25 e depois listando os demais.

Beggars of Life (William A. Wellman, 1928)
2019fav001
William Wellman recém dirigira o imensamente popular Asas, quando tomou a caminho oposto e fez este filme sobre dois jovens em fuga no meio dos vadios de trem Americanos. De certa forma adianta alguns dos filmes sociais feitos durante a grande depressão um pouco antes dela incluindo a obra prima do próprio Wellman Wild Boys of the Road que revisita muito do mesmo território, Duro, pouco sentimental e com uma bela atuação de Louise Brooks muito distante da que faria para Pabst e Hawks logo depois.

Sadie Thompson (Raoul Walsh, 1928)
2019fav002
Um conto de dissolução com uma variedade muito grande de registros. Um triangulo de visões de mundo distantes ao qual Walsh da pleno espaço para ressoar. No centro dele uma Gloria Swanson iluminada. Também uma rara oportunidade de ver Walsh em cena pouco antes do acidente que acabou com sua carreira de ator.

The Last Flight (William Dieterle, 1931)
2019fav003
Este foi o primeiro filme americano de William Dieterle e parte da força dele me parece muito ligada a como ele existe suspenso entre os dois continentes, O pragmatismo masoquista frente aos destroços da guerra vem dos EUA, mas o sentimento de desespero surge da Europa que serviu de palco para o conflito e amplifica a impotência de todos.

Other Men’s Women (William A. Wellman, 1931)
2019fav004
Wellman filmando o romance entre os homens trabalhadores americanos no meio das linhas de trem tão cinematográficas como de costume. Lembra o que de melhor Jean Renoir fez nos seus tempos de frente popular.

Safe in Hell (William A. Wellman, 1931)
2019fav005
Uma das coisas boas dos filmes de Wellman dessa época é o seu ecletismo tanto de temas como mesmo internamente trocando de registros com grande liberdade. Safe in Hell é quase um oposto exato de Other Men’s Women do foco na mulher a sua locação exótica quase abstrata. É como muito dos filmes do diretor, um filme sobre a civilização e suas fronteiras, aqui filtrados pela forma como uma mulher lida com estar num espaço onde nenhuma pretensão dela chegou. Filme que se move com muita segurança entre o drama moral e uma especificidade de gesto nas várias negociações que Dorothy Mackail precisa estabelecer ao longo da sua curta duração.

Transatlantic (William K. Howard, 1931)
2019fav006
Um desses filmes multiplot centrados num espaço, no caso o transatlântico do título. Assim como Safe in Hell é um filme sobre noções de civilização num espaço em que ela está suspensa. O filme passeia muito bem entre as suas varias tramas que se movem em direção de colocar o jogador de Edmund Lowe num dilema moral. Fotografia excelente do James Wong Howe e uma direção atmosférica e ameaçadora do subestimado William K. Howard.

Four Hours to Kill! (Mitchell Leisen, 1935)
2019fav007
Leisen é associado a comédia, mas ele trabalhou bem em outros registros e este é um thriller delicioso com espaço e tempo fechado (o sagão de um teatro, cerca de quatro horas do título). Muito neurótico com as varias subtramas alimentando a história de vingança principal. Outro trabalho excelente de Richard Barthelmess como o presidiário em espera que move a ação, foi o último papel principal do ator e tem algo para alguém escrever sobre os seis anos como protagonista de cinema sonoro de Barthelmess tem ali uma consistência temática e ambição estética e sócio-políticas não muito comuns.

Sazen Tange and the Pot Worth a Million Ryo (Sadao Yamanaka, 1935)
2019fav008
Um dos prazeres do ano foi assistir aos dois filmes do Sadao Yamanaka que eu não conhecia aquele toque leve dele no meio de um material desesperador é notável. E tem algum um retrato comunitário muito interessante também.

Angel (Ernst Lubitsch, 1937)
2019fav009
Amor e desrazão. Como sempre em Lubitsch das boas maneiras surgem os filmes mais violentos.

Strange Cargo (Frank Borzage, 1940)
2019fav010
Da alegoria religiosa a um sentimento de chegado ao mundo. É bem próximo do que Borzage faria anos depois em Moonrise e tem um desespero muito forte que o material romântico a princípio não sugeriria.

Gentleman Jim (Raoul Walsh, 1942)
2019fav011
Boa parte dos filmes dos primeiros anos de Raoul Walsh na Warner entre 1939-1942 sinalizam uma revisita a ideias e situações que ele eternizaram no começo dos anos 30 mas numa chave que sugeria uma boa dose de melancolia. Gentleman Jim é um filme de boxe cheio de energia, muito por conta de um Errol Flynn perfeitamente utilizado, mas nunca escapa de um amargor, a certeza de que suua bela época é uma ilusão que pertence aos filmes.

Driftwood (Allan Dwan, 1947)
2019fav012
Meio parábola religiosa meio filme excêntrico de cidadezinha de interior. Tão Fordiano que Francis Ford está no elenco de apoio. Tem até uma subtrama de julgamento de cachorro.

Children of the Beehive (Hiroshi Shimizu, 1948)
2019fav013
Indo do filme de criança doce para o filme de criança de horror quando passamos dos vencedores aos perdedores da segunda guerra. Retrato de um país em ruinas literal e emocionalmente através das crianças que brincam no que sobrou dele.

O Som da Montanha (Mikio Naruse, 1954)
2019fav014
Puro veneno sobre a família japonesa a partir do olhar todo errado de um patriarca bem intencionado mas desastroso. Naruse produzindo uma espécie de anti-Ozu anos antes dos provocadores do cinema novo japonês.  Uma das melhores atuações de Setsuko Hara.

The Eternal Breasts (Kinuyo Tanaka, 1955)
2019fav015
Kinuyo Tanaka foi além de uma das grandes atrizes do cinema japonês, a primeira mulher a dirigir no país, vi dois dos seis filmes que ela fez entre 1953 e 1962 (Love Letter que assidti uns anos atrás é bem bom também) e este é uma perola. Um filme masoquista que se move com força na direção da morte mas encontra um distanciamento forte no meio do caminho.

Decision at Sundown (Budd Boetticher, 1957)
2019fav016
Matar ou Morrer virado de cabeça para baixo. Sobretudo porque a direção de Boetticher não poderia ser mais simples e direta. Um dos filmes mais bem atuados dele também.

Othon (Danielle Huillet, Jean-Marie Straub, 1970)
2019fav017
Straub/Huillet e a palavra. Um dos grandes musicais só pela sonoridade do dialogo.  Um filme de todos os tempos.

Touki Bouki (Djibril Diop Mambety, 1973)
2019fav018
Um dos grandes dramas do cineasta do terceiro mundo vai ser sempre a melhor forma de absolver as influenciais artísticas dos poderes coloniais enquanto ainda assim da conta do imperialismo. O filme do Mambety é uma aventura de casal de cinemas novos sobre a aflição colonial e muito mais forte por reconhecer a violência deste processo.

Dialogo de Exilados (Raul Ruiz, 1975)
2019fav019
Falando em aflições coloniais aqui temos Raul Ruiz chutando o balde ao filmara neurose dos exilados chilenos pós golpe de Pinochet. O exilio é aniquilação completa de qualquer normalidade.

Muddy River (Kohei Oguri, 1981)
2019fav020
A miséria do mundo pelo olhar infantil. Não um filme sobre inocência da infância mais das duras negociações de dois garotos num espaço hostil.

School in the Crosshairs (Nobuhiko Obayashi, 1981)
2019fav021
Scanners revisto sobre a luz das tendências fascistas da sociedade japonesa como um anime juvenil.

Berenice (Raul Ruiz, 1983)
2019fav022
Ruiz brincando de jogo de sombras wellessiniano. De como extrair tanto dos mínimos elementos de cena.

Alexandria Again and Forever (Youssef Chahine, 1990)
2019fav023
Sobre cinema e poder. O olhar do cineasta, aqueles que aparecem diante das suas câmeras, aqueles que executam funções atrás delas. Acho que dos filmes autobiográficos de Chahine é o que tem as soluções mais inventivas.

Samba Traoré (Idrissa Ouedraogo, 1992)
2019fav024
Um thriller sobre o momento inevitável em que as ações alcançaram seu personagem principal. Um filme precioso não sobre culpa mas sobre a responsabilidade do que está por vir.

Frágil Como o Mundo (Rita Azevedo Gomes, 2001)
2019fav025
Um amor proibido e o gesto generoso da cineasta de eterniza-lo ao colocar seus jovens amantes no mundo por mais impiedoso que esse seja.

 

The Salvation Hunters (Joseph Von Sternberg, 1925)
2019fav026

The Kid Brother (Ted Wilde, 1927)
2019fav027

Speedy (Ted Wilde, 1928)
2019fav028

Linda (Dorothy Davenport, 1929)
2019fav029

Where East is East (Tod Browning, 1929)
2019fav030

The Wild Party (Dorothy Arzner, 1929)
2019fav031

City Girl (F.W. Murnau, 1930)
2019fav032

A Lady to Love (Victor Sjostrom, 1930)
2019fav033

Dr. Jekyll and Mr. Hyde (Rouben Mamoulian, 1931)
2019fav034

Possessed (Clarence Brown, 1931)
2019fav035

Beauty and the Boss (Roy Del Ruth, 1932)
2019fav036

Red-Headed Woman (Jack Conway, 1932)
2019fav037

What Price Hollywood? (George Cukor, 1932)
2019fav038

Baby Face (Alfred E. Green, 1933)
2019fav039

The Mayor of Hell (Archie Mayo, 1933)
2019fav040

The Mystery of the Wax Museum (Michael Curtiz, 1933)
2019fav041

Queen Christina (Rouben Mamoulian, 1933)
2019fav042

The Silver Cord (John Cromwell, 1933)
2019fav043

Bulldog Drummond Strikes Back (Roy Del Ruth, 1934)
2019fav044

Four Frightened People (Cecil B. De Mille, 1934)
2019fav045

Imitation of Life (John M. Stahl, 1934)
2019fav046

No Greater Glory (Frank Borzage, 1934)
2019fav047

Hands Across the Table (Mitchell Leisen, 1935)
2019fav048

After the Thin Man (W.S. Van Dyke, 1936)
2019fav049

Priest of Darkness (Sadao Yamanaka, 1936)
2019fav050

Stand-In (Tay Garnett, 1937)
2019fav051

At the Circus (Edward Buzzell, 1939)
2019fav052

Son of Frankentein (Rowland V. Lee, 1939)
2019fav053

Seven Sinners (Tay Garnett, 1940)
2019fav054

Manpower (Raoul Walsh, 1941)
2019fav055

The Shepherd of the Hills (Henry Hathaway, 1941)
2019fav056

Destination Tokyo (Delmer Daves, 1943)
2019fav057

The Ghost Ship (Mark Robson, 1943)
2019fav058

A Good Lad (Boris Barnet, 1943)
2019fav059

Johnny Come Lately (William K. Howard, 1943)
2019fav060

I’ll Be Seeing You (William Dieterle, 1944)
2019fav061

Reign of Terror (Anthony Mann, 1949)
2019fav062

Tomahawk (George Sherman, 1951)
2019fav063

Bienvenido, Mr. Marshall! (Luis García Berlanaga, 1953)
2019fav064

Nuvens Carregadas (Mikio Naruse, 1955)
2019fav065

Correnteza (Mikio Naruse, 1956)
2019fav066

Star in the Dust (Charles F. Haas, 1956)
2019fav067

Gunman’s Walk (Phil Karlson, 1958)
2019fav068

Dead Eyes of London (Alfred Vohrer, 1959)
2019fav069

Il Demonio (Brunello Rondi, 1963)
2019fav070

The Indian Scarf (Alfred Vohrer, 1963)
2019fav073

Il Magnifico Avventuriero (Riccardo Freda, 1963)
2019fav072

Lo Spettro (Riccardo Freda, 1963)
2019fav071

Zatoichi’s Vengeance (Tokuzô Tanaka, 1966)
2019fav074

Cruces sobre el Yermo (Alberto Mariscal, 1967)
2019fav075

Massacre no Supermercado (J.B. Tanko, 1968)
2019fav076

Três Tristes Tigres (Raul Ruiz, 1968)
2019fav077

Demons (Toshio Matsumoto, 1971)
2019fav078

What’s the Matter with Helen? (Curtis Harrington, 1971)
2019fav079

Payday (Daryl Duke, 1973)
2019fav080

Light of Africa (Tatsumi Kumashiro, 1975)
2019fav082

La Polizia Ha le Mani Legate/Killer Cop (Luciano Ercoli, 1975)
2019fav081

La Vocation Suspendue (Raul Ruiz, 1978)
2019fav083

Mueda, Memória e Massacre (Ruy Guerra, 1981)
2019fav084

Mur Murs (Agnes Varda, 1981)
2019fav085

Search (Amir Naderi, 1981)
2019fav086

O Ladrão de Cavalos (Tian Zhuangzhuang, 1986)
2019fav087

Bu Su (Jun Ichikawa, 1987)
2019fav088

Daughters of the Dust (Julie Dash, 1991)
2019fav089

Nach Jerusalem (Ruth Beckermann, 1991)
2019fav090

Lumumba: La Mort du Prophéte (Raoul Peck, 1992)
2019fav091

Love – Zero = Infinity (Hisayasu Satô, 1994)
2019fav092

Corte de Cabelo (Joaquim Sapinho, 1995)
2019fav093

Goshogaoka (Sharon Lockhart, 1998)
2019fav094

The Joy of Life (Jenni Olson, 2005)
2019fav095

Le Dernier des Fous (Laurent Achard, 2006)
2019fav096

Men at Work (Mani Haghighi, 2006)
2019fav097

Montparnasse (Mikhaël Hers, 2009)
2019fav098

Derniere Séance (Laurent Achard, 2011)
2019fav099

Todo Comenzó por el Fin (Luis Ospina, 2015)
2019fav100

Deixe um comentário

Arquivado em Filmes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s